quinta-feira, 17 de março de 2011

Precisava treinar com minha câmera novinha. Ele se deixou retratar. Com leveza e passividade. Mas o riso era invasivo e premeditado. A luz que irradiou dele, ofuscou a luz artificial. Mas tudo era bom. Como o simples fato de fazer retratos dele com a lente de meus olhos. É assim que sinto a necessidade urgente de outro ensaio com ele. Ah, como preciso! Que seja breve. Grata meu pequenito príncipe.

Um comentário:

_. Mαlditαs músicαs de αmor disse...

oi tudo bom ?
adorei o blog , segui você tem como me seguir tbm ?
beijos ;*