quarta-feira, 5 de maio de 2010

Fissura - José Luis Costa

Será difícil esquecer
seu molejo,
o charme que se transformou
em desejo.
A fissura
carnal que se
inicia num beijo.
Quando lhe terei
de novo só para mim?
Quando deitarei
de novo no seu colo?
São perguntas que
me traem no
dia-a-dia distante,
ou respostas vazias
trazidas por beija-flores
das flores da praça.
A minha tristeza
está na partida para
longe dos beijos seus
que não tive.

Um comentário:

João Henrique Salles disse...

Quantas indagaçoes traz o belo texto?

Zé Luis UFMA/CALIFORNIA?

Parabéns, ja li outro texto do memso autor nesse mesmo blogger.