quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O menino e o encanto


 

Voltei naquele bar, onde sou conhecida pelo nome e com intimidada por todos os garçons que avaliam meu gosto pobre: Só cerveja. E de preferência gelada, e se ainda for Skol? Ah! Que eu ache outro bar de esquina, no meu e teu bar preferido preferencialmente só se oferece a cerveja do Pará.  A outra opção: que eu permaneça em meu doce lar e esquadrinhe ocupação para minha noite e fique refletindo que nas quartas tu sempre apareces. De certo, sempre dar o ar da tua graça. Tenho justificativa para retornar ao recinto. Outra vez, sou cliente cativa (no sentido mais literal da palavra). E logo que te vejo, meu coração se alegra em muito,  com pouco, e pelo pouco que te alcança, adiciona-se de um sentimento pouco explicado ainda. Carece mesmo que haja explicação para tudo?
E a noite é curta e frívola. Envaideço-me ao ouvir meu nome em tua fala, leve e risonha ao oferecer a mim a próxima canção: Uma menina me ensinou, quase tudo que eu sei, era quase escravidão, mas ela me tratava como um rei, ela fazia muitos planos, eu só queria estar ali, sempre ao lado dela, eu não tinha aonde ir. [...] ela também estava perdida, e por isso se agarrava a mim (Dinho Ouro Preto). Certamente era só uma canção do repertorio conhecido de tua mente naquele momento. Mas, confesso que adorei, que avermelhei... Que amarelei. E que fiquei roxa de vontade de sentar defronte a ti e admirar o riso raso, que rascunha tua face fácil quando canta e sempre me encanta.



4 comentários:

Juh Salomé de Beauvoir disse...

"Numa esquina, ou numa mesa de bar..."
;)

É tão fácil se encontrar, em uma música, em um refrão, sincero, completo.

Amo essa música...a necessidade involuntária que temos da presença, a dor da falta, a metade de dois inteiros..enfim, se perder e se encontrar, numa canção, em alguém.

Entrarei em contato, aguarde!

Beijos, rosas e vinhos pra vc! ;D

Vanusa Babaçu disse...

De certo de minha parte só tenho a esperar que cumpras tua promessa. Rosas e vinhos...

Lucas Victor disse...

O que tenho a dizer é indizível,
obrigado por fazer parte da minha vida!
desculpa por minhas ausências, mas espero que todo encanto entre nossos caminhos cruzados não se perca por simples distância de tempo e espaço.
Tu é minha Gurú, aquela que se dedica inexplicavelmente a fazer com que eu entenda meu próprio dito, ser.
Parte do que sou é ter sido visto, ouvido, e lido por ti, é teus beijos amáveis.
Te escrevo uma declaração de admiração, respeito.
Te escrevo essa pequena declaração de amor que não necessita de ciúmes, pois é do tipo de amor que se compartilha.
Te escrevo declaração de dívida, que pagarei não te esquecendo nenhum instante, mesmo que eu não te lembre a toda hora.
bjos declaráticos.

Vanusa Babaçu disse...

Estimado Lucas Victor,

És aquele ser que a vida nos dá de presente e faz o dia ter um sentido particular. Tenho por ti apreço e zelo. Admiração e confiança.
Meu amor por ti pode ser: adicionado, partilhado e multiplicado. em hipótese alguma: Diminuido.

Não há distancia entre nós: Nem de tempo, nem de espaço, eu te carrego dentro de mim, ocupando espaço privilegiado.

Beijos atemporais.