segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

No outro






Ponte


Noite, meia noite


Fome, carne na carne


A estrada  é ponte


Interliga


Os caminhos de nosso


Querer,


Querer ficar, estar,permanecer


No outro, para o outro.


Desligado o motor do juízo


Entre faróis e gozos


Fuga para o tempo


Irreal,longe do nosso tempo.


Uma ponte


Pelas nossas costas


Retrovisores


Rotatórias


Chaves e portas


Da nossa vida... Trivial.


Café com leite


Saladas.




texto e fotografia:
Vanusa Babaçu
fotos da ponte sobre o Riacho Bom Jesus 
ponto de extrema entre os municípios de Imperatriz
e Cidelândia.





5 comentários:

Anônimo disse...

Oh, minha palmeira
Não faz isso não. Que lugar lindo, teu olhar é de uma grande e maravilhosa fotógrafa. E essa poesia é um daqueles momentos de amor pra recordar.

Saudades de teu cheiro de terra fresca.

Vem me ver.

Vem atravessar pontes comigo.
Beijos

Jorge Sales

Vanusa Babaçu disse...

Jorginho,

Vem pra cá, eu nesm sei se por ai tem pontes...
Por aqui as estradas são longas e tem curvas sinuosas. Tu sabesss!!



Saudades de teu cheiro de pele fresca também.
Beijos continuos

Janderson Andrade disse...

Sempre busco as palavras certas,nas horas exatas.Isso que escreve é o que minha boca queria ler,minha voz queria pronunciar.Belo texto,bela vc.
Abraços!

Vanusa Babaçu disse...

Nossa Janderson... Tu diz isso. Eu fico vermelha. Mas que bom que alguém possa querer dizer algo parecido com o que eu pensei e registrei.
Não sei se é um texto lindo, mas posso dizer que é um texto inspirado em um momento inesquecível.

A ponte... esse elo de ligação!!!

abraços continuados pra vc.

Maria Francisca disse...

Essa pote tá cheia de histórias eu conheço e faz parte de minha vida também!!

Babaçu minha amiga poeta.