quarta-feira, 14 de abril de 2010

Básico - Vanusa Babaçu

Tu ja sabes?
que EU TE AMO!
todos sabem?
que eu te amo!
e eu???
sim, eu sei,
eu sei, que te amo.
eu sei, que te amo.
Sei de tudo.
Sei, de nossas passadas lentas,
das nossas vontades de ir mais longe
carregando só o básico
mas nunca sem o outro,
estamos naquele velho beco sem saída.
E tu me amas,
eu sei,
eu sei.
Como tu sabes.
Com ou sem palavras,
quando vem,
quando fica,
quando foge.
Eu sei,
e tu sabes!
Estamos perdidos!
cadê meu megafone?
Ligarei pra tua avó.
Convocarei toda a família.
Mandarei hoje um telegrama pra Goías!
Noticiarei nos jornais de Grajáu!
Ainda tem mais alguém?
hum... as primas...
Para as primas?
  Já deixei recados, disse tudo!
Delimitei território,
apresentei, fatos e fotos.
Sou ré confessa.
Li em voz alta,
todas as cartas que permaneciam lacradas.
Para escrever algumas
utilizei a velha maquina datilográfica,
munida de fita bicolor
e sem o botão delete.
Intencionado ouvir, com culpa
o teclar louco no escrever das palavras
que viçam atiçadas em minha mente torpe,
que te chamam.
E ditam teu nome,
e logo,  eu transcrevo obidiente.
 Certificando-me da minha loucura.
E logo mais a madrugada será vencida
 ao meio dia almoçarei contigo!
Abres a porta, e se puderes
me abraçe.


Para CairoMorias

2 comentários:

Ubirajara Júnior disse...

Nas suas perdas,desencontros e encontros,nós sempre ganhamos com sua poesia de perder o "chão".

Vanusa Babaçu disse...

Nossa, seu comentário me deixou azul. Tu leste em primeirissima mão... Grata pelo incentivo!!