segunda-feira, 5 de abril de 2010

Rascunho - Vanusa Babaçu


 

texto: Vanusa Babaçu 
Gravura especilamente cedida do
  acervo pessoal de: CairoMorais 



Teus rascunhos
me desenham e me desnudam
E me aproxima cada vez mais de ti.
Ouso IR embora todos os dias
E antes mesmo que tu sintas falta, volto
Aspirando ficar para sempre,
Sem passado e sem futuro.
Sou gravura de um momento presente
Sem partida e sem chegada
Teus riscos nunca levianos
Esboçado em grafites ou chocolates
Tem a força de assinalar profundamente 
O papel cândido...
que sou eu.

6 comentários:

João Henrique Salles disse...

Sem passado e sem futuro, eu tb adoro viver o presente... hj eu te observei por meia hora, estava como o papel: Cândida!!!
Vi que os cabelos mudaram um pouco de cor?
Teus escritos me deixam mais perto de ti...
beijos assinalados

Vanusa Babaçu disse...

Os cabelos? Sim, eles evoluirão para um negro avermelhado...

sempre tem alguém me olhando de longe... (risos)

Meus escritos tem me aproximado e tb me distanciado de algumas pessoas. Grata pela visitinha.

Anônimo disse...

Quando Deus te desenhou ele tava namorando na Beira do RIO Tocantins, ou pescando no riacho Bacuri, nos tempos idos que tinha peixe e pouca poluição.

Lindo, vc rascunhada nitidamente por CAIROMORAIS, Lindo o poema.
Linda a forma de firmar esse amor... Li tanto esse poema e o outro "Mãos Putas" que já sei de cor.

Saudades de tu

Caio Fernando

Vanusa Babaçu disse...

O rio é sempre uma fonte inspiradora, o nosso velho rio...sem peixes!


Eu apareço mesmo assim nessa gravura??? Peitos ou cabelos?

beijocas desenhadas pra tu,
vem me ver.

Janderson Andrade disse...

As palavras,quando usadas com sabedoria,se transformam em belos pensamentos onde são expressados todos os tipos de sentimentos.Desde a simples falta de um alguem ate a verdadeira forma de amar.

Vanusa Babaçu disse...

ah... quando saberemos a verdadeira arte de amar?

Nunca vou saber, mas amarei sempre e verdadeiramente... entre risos ou choros!"

adoro suasa visitas

gracias